Press "Enter" to skip to content

CELEBRAR EM FAMÍLIA O DIA DO SENHOR IV DOMINGO DA QUARESMA – ANO A

Algumas orientações para a celebração:

Escolher em casa um local adequado para celebrar e rezar juntos;

Preparar a Bíblia com o texto a ser proclamado, um crucifixo, uma imagem ou ícone de Nossa Senhora, uma vela a ser acesa no momento da celebração.

Escolha quem irá ser o “Dirigente (D)” da celebração: pode ser o pai ou mãe; e quem fará as leituras (L). Na letra (T), todos rezam ou cantam juntos.

Como sugestão, podem ser preparadas 6 velas apagadas para serem acesas no momento das preces. 

CELEBRAÇÃO

T. Alegra-te, Jerusalém! Reuni-vos, vós todos que a amais; vós que estais tristes, exultai de alegria! Saciai-vos com a abundância de suas consolações.

D. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

T. Amém.

D. Deus Pai, que é bendito eternamente, nos conceda estar em comunhão uns com os outros, com a força do Espírito, em Cristo Jesus, nosso irmão.

T. Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

D. A Quaresma deste ano está sendo vivida de forma bem diferente das outras que já vivemos. Se ela, a Quaresma, nos convida a nos encontrarmos com Deus e com os irmãos e irmãs, este ano parece que não está sendo bem assim. Não podendo nos reunir para juntos celebrarmos a Eucaristia, nossas Viasacras e outros momentos de oração em nossas comunidades, queremos fazer de nossa casa, a casa de Deus, a Igreja doméstica pois aqui nos reunimos no Dia do Senhor, como os primeiros cristãos que também se reuniam em suas casas, para a escuta e a meditação da Palavra de Deus. Mesmo em meio a tantas preocupações, medos e incertezas, não podemos ficar tristes. Somos convidados a nos alegrar, conforme iniciávamos rezando juntos o refrão inicial, pois diante de nós resplandece a Páscoa que é anúncio de ressurreição e de vida plena, promessa de esperança para toda a humanidade. Escutemos a palavra de Jesus, luz do mundo, para o seguir em cada dia e iluminar o nosso caminho, mesmo que estejamos caminhando por entre sinais de trevas. Cantemos juntos:

D. De coração contrito e humilde, aproximemo-nos do Deus justo e santo, para que tenha piedade de nós, pecadores:

D. Tende compaixão de nós, Senhor!

T. Porque somos pecadores!

D. Manifestai, Senhor, a vosssa misericórdia!

T. E dai-nos a vossa salvação!

D. Deus todo-poderoso tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna.

T. Amém.

D. Senhor, tende piedade de nós!

T. Senhor, tende piedade de nós!

D. Cristo, tende piedade de nós!

T. Cristo, tende piedade de nós!

D. Senhor, tende piedade de nós!

T. Senhor, tende piedade de nós!

D. Senhor nosso Deus, Pai da luz, que conheceis a profundidade do nosso coração: não permitais que nos domine o poder das trevas, mas abri os nossos olhos com a graça do vosso Espírito, para que vejamos Aquele que enviastes para iluminar o mundo, e só n’Ele acreditemos: Jesus Cristo, vosso Filho, nosso Senhor. Ele que vive e reina pelos séculos dos séculos.

R. Amém.

A VOSSA PALAVRA É A LUZ DOS NOSSOS PASSOS

T.: TUA PALAVRA É LÂMPADA PARA MEUS PÉS, SENHOR, LÂMPADA PARA MEUS PÉS, SENHOR, LUZ PARA O MEU CAMINHO. LÂMPADA PARA OS MEUS PÉS, SENHOR, LUZ PARA O MEU CAMINHO. (BIS)

L.: Do Evangelho segundo São João

(Jo 9,1.6-9.13-17.34-38)

Naquele tempo, Ao passar, Jesus viu um homem cego de nascença. E cuspiu no chão, fez lama com a saliva e colocou-a sobre os olhos do cego. E disse-lhe: “Vai lavar-te na piscina de Siloé” (que quer dizer: Enviado). O cego foi, lavou-se e voltou enxergando. Os vizinhos e os que costumavam ver o cego – pois ele era mendigo – diziam: “Não é aquele que ficava pedindo esmola?” Uns diziam: “Sim, é ele!” Outros afirmavam: “Não é ele, mas alguém parecido com ele”. Ele, porém, dizia: “Sou eu mesmo!” Levaram então aos fariseus o homem que tinha sido cego. Ora, era sábado, o dia em que Jesus tinha feito lama e aberto os olhos do cego. Novamente, então, lhe perguntaram os fariseus como tinha recuperado a vista. Respondeu-lhes: “Colocou lama sobre meus olhos, fui lavar-me e agora vejo!” Disseram, então, alguns dos fariseus: “Esse homem não vem de Deus, pois não guarda o sábado”. Mas outros diziam: “Como pode um pecador fazer tais sinais?” E havia divergência entre eles. Perguntaram outra vez ao cego: “E tu, que dizes daquele que te abriu os olhos?” Respondeu: “É um profeta”. Os fariseus disseram-lhe: “Tu nasceste todo em pecado e estás nos ensinando?” E expulsaram-no da comunidade. Jesus soube que o tinham expulsado. Encontrando-o, perguntou-lhe: “Acreditas no Filho do Homem?” Respondeu ele: “Quem é, Senhor, para que eu creia nele?” Jesus disse: “Tu o estás vendo; é aquele que está falando contigo”. Exclamou ele: “Eu creio, Senhor!” E prostrou-se diante de Jesus. Palavra da Salvação.

R. Glória a vós, Senhor!

Pequeno momento de silêncio, meditação ou partilha da Palavra

D. Professemos a nossa fé!

T. Creio em Deus Pai…

A DEUS SE ELEVA A NOSSA PRECE

D. Como filhos da luz, aclamemos a Cristo, luz do mundo, e peçamos-lhe que ilumine o nosso coração para que também os nossos passos avancem à claridade da sua palavra.

L. Quando não vemos o vosso desígnio de amor nas provações da vida,

T. Abri, Senhor, os nossos olhos!

L. Quando não vos reconhecemos como luz do nosso caminho,

T. Abri, Senhor, os nossos olhos!

L. Quando preferimos caminhar nas trevas e andar longe de vós,

T. Abri, Senhor, os nossos olhos!

L. Quando não Te vemos porque andamos ocupados a olhar para nós mesmos,

T. Abri, Senhor, os nossos olhos!

L. Quando não Te reconhecemos no pobre e no sofredor,

T. Abri, Senhor, os nossos olhos!

L. Vós, Luz que iluminais as nações:

T. Abri, Senhor, os nossos olhos!

L. Vós, Luz que iluminais os cientistas, médicos e pesquisadores:

T. Abri, Senhor, os nossos olhos!

L. Vós, estrela da manhã que não conhece ocaso:

T. Abri, Senhor, os nossos olhos!

D. Conscientes do sofrimento de muitos, no tempo presente, continuemos a rezar:

T. Deus eterno e omnipotente, descanso na fadiga, amparo na fraqueza: todas as criaturas de Vós recebem energia, existência e vida. A Vós recorremos invocando a vossa misericórdia porque continuamos a sentir a fragilidade da condição humana ao passar pela experiência de uma nova epidemia viral. A Vós confiamos os doentes e as suas famílias: curai-os no corpo, na mente e no espírito. Ajudai todos os membros da sociedade a cumprir o seu dever e a reforçar o espírito de solidariedade entre si. Amparai e confortai os médicos e os profissionais de saúde da linha de frente e todos os que prestam cuidados de saúde, no desempenho do seu serviço. Vós que sois a fonte de todo o bem, enchei de bênçãos a família humana, afastai de nós todo o mal e dai uma fé sólida a todos os cristãos. Livrai-nos da epidemia que nos está atingindo para que possamos retomar com serenidade as nossas ocupações habituais e louvar-vos e dar-vos graças de coração renovado. Em Vós confiamos e a Vós elevamos a nossa súplica porque Vós, ó Pai, sois o autor da vida, e com o vosso Filho, nosso Senhor Jesus Cristo, na unidade do Espírito Santo, viveis e reinais pelos séculos dos séculos. Amém. Santa Maria, saúde dos enfermos, rogai por nós!

D. A situação de sofrimento e apreensão em que nos encontramos é ocasião para que se manifestem as obras de Deus. Também nós devemos realizar as obras do Pai porque o Senhor Jesus, a verdadeira luz, habita em nós e sustenta o nosso esforço. Ele suporta também a nossa oração humilde:

T. Pai nosso…

D. Senhor nosso Deus, verdadeira luz da nossa consciência, só em Vós sabemos o que é bem; o vosso Espírito nos salve das trevas do mal para que caminhemos como filhos da luz seguindo os passos de Cristo. Ele que vive e reina, pelos séculos dos séculos.

T. Amém.

INVOQUEMOS A BÊNÇÃO DO PAI

D. Concedei, ó Pai, a vossa bênção à nossa família, e dai-nos a alegria na esperança, a fortaleza na tribulação, a perseverança na oração, a solicitude atenta às necessidades dos irmãos e a diligência no caminho de conversão que estamos a percorrer nesta Quaresma.

Todos fazem o sinal da cruz sobre si, enquanto o dirigente continua:

D Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

T. Amém.

Pode concluir-se com a antífona mariana “À vossa proteção”

T. À vossa proteção recorremos, Santa Mãe de Deus. Não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades, mas livrai-nos sempre de todos os perigos, ó Virgem gloriosa e bendita. Amém.

(Cada família poderá adaptar o esquema conforme as necessidades. Os cantos são sugestões podendo ser trocados por outros, respeitando sempre o espírito quaresmal que estamos vivendo).