Press "Enter" to skip to content

MOMENTOS DE ORAÇÃO DIA 21

SOBRIEDADE FELIZ

Refrão: Louvarei a Deus, seu nome bendizendo,/ Louvarei a Deus a vida nos conduz!

Acendimento da Luz pascal: Bendito sejais, ó Ressuscitado, luz eterna que renovais hoje e sempre a criação inteira.

1. Abertura

– Verdadeiramente ressurgiu Jesus, (bis)

Catemos aleluia! Resplandece a luz! (bis)

– Se amor por nós firme para sempre, (bis)

Sua fidelidade dura eternamente! (bis)

– Seu divino sopro, vida, redenção, (bis)

Vem recriar o mundo, nova criação! (bis)

– Glória ao Pai, ao Filho e ao Santo Espírito, (bis)

Glória à Trindade Santa, glória ao Deus bendito! (bis)

– Paz e bem, irmãs, Paz e bem, irmãos! (bis)

Com todo o universo a Deus louvação (bis)

2. Recordação da vida

D.: Tendo em conta que o ser humano também é uma criatura deste mundo, que tem direito a viver e ser feliz e, além disso, possui uma dignidade especial, não podemos deixar de considerar os efeitos da degradação ambiental, do modelo atual de desenvolvimento e da cultura do descarte sobre a vida das pessoas (LS 43). Podemos agora trazer presente os sinais tanto da cultura do descarte como da cultura do cuidado que vemos no mundo hoje

3. Salmo 147 (146), 1-11

L. A espiritualidade cristão propõe um crescimento na sobriedade e uma capacidade de se alegrar com pouco. É um regresso à simplicidade que nos permite parar e saborear as pequenas coisas, agradecer as possibilidades que a vida oferece, sem apegar-nos ao que temos nem entristecer-nos por aquilo que não possuímos. Isto exige evitar a dinâmica do domínio e da mera acumulação de prazeres (LS 222).

Jerusalém, povo de Deus, Igreja Santa,

levanta e vai, sobe as montanhas,

ergue o olhar:

lá no Oriente desponta o sol da alegria,

que vem de Deus aos filhos teus:

eis o teu dia!

1. Louvai, é bom cantar,

merece o nosso Deus!

Jerusalém renova

e junta os filhos teus!

Dos corações feridos,

quem cuida é Deus dos céus!

2. São quantas as estrelas,

quem é que vai saber?…

Quem sabe o nome delas?…

Só ele tem poder!

Levanta os humilhados,

os maus vai abater!

3. Cantai a nosso Deus,

ao som de violões!

Com nuvens cobre os céus,

e desfaz os torrões!

E faz brotar nos campos,

as ervas e os feijões!

4. Fornece o alimento,

às aves e animais!

Na força dos guerreiros,

meu Deus não se compraz!

Quem teme e nele espera

lhe agrada muito mais!

5. Ao Pai do céu louvemos

e ao que vem, cantemos;

E ao Divino, então,

a nossa louvação!

Os Três que são um Deus,

exalte o povo seu!

4. Palavra de Deus: Mt 5, 27-28

L.: Quem de vós, com suas preocupações, pode aumentar a duração de sua vida de um momento sequer? E por que vos preocupais com as vestes? Observai como crescem os lírios do campo: não trabalham nem fiam. Mas, eu vos digo que nem Salomão com toda a sua glória se vestiu como um deles.

D. … Não basta falar apenas da integridade dos ecossistemas; é preciso ter a coragem de falar da integridade da vida humana, da necessidade de incentivar e conjugar todos os grandes valores. O desaparecimento da humildade, num ser humano excessivamente entusiasmado com a possibilidade de dominar tudo sem limite algum, só pode acabar por prejudicar a sociedade e o meio ambiente. Não é fácil desenvolver esta humildade sadia e uma sobriedade feliz, se nos tornamos autônomos, se excluímos Deus da nossa vida, fazendo nosso eu ocupar seu lugar, se pensamos ser a nossa subjetividade que determina o que é bem e o que é mal (LA 224).

5. Pai nosso

6. Oração: Ó Deus dos pobres, ajudai-nos a resgatar os abandonados e esquecidos desta terra que valem tanto aos vossos olhos. Curai a nossa vida, para que protejamos o mundo e não o depredemos, para que semeemos beleza e não poluição nem destruição.

7. Compromisso: Como podemos nos educar para uma vida mais sóbria? Que gastos e desperdícios podemos deixar de lado? Como podemos cobrar que as instituições também vivam a sobriedade feliz?

8. Bênção: O Senhor, fonte de humildade e de toda vida, seja nossa riqueza até a saciedade.

Canto

Louvado sejas, meu Senhor,/ Por todas tuas criaturas!

//Pela união da tua gente,/ que cultiva a semente,/ do viver e partilhar//